marcelo santos

Tuesday, October 17, 2006

Por que planejar ?

Eu acredito que o planejamento deve estar presente em todas as atividades escolares. Improvisos às vezes acontecem, mas não podem virar regra.O planejamento é a etapa mais importante do projeto pedagógico, porque é nela que as metas são articuladas às estratégias e ambas são ajustadas às possibilidades reais. Existem três tipos de planejamento escolar: o plano da escola, o plano de ensino e o plano de aula.
O primeiro traz orientações gerais que vinculam os objetivos da escola ao sistema educacional mais amplo. O plano de ensino se divide em tópicos que definem metas, conteúdos e estratégias metodológicas de um período letivo.Já o plano de aula é a previsão de conteúdo de uma aula ou conjunto de aulas.O planejamento escolar é um processo de racionalização, organização e coordenação da atividade do professor, que articula o que acontece dentro da escola com o contexto em que ela se insere. Trata-se de um processo de reflexão crítica a respeito das ações e opções ao alcance do professor. Por isso a idéia de planejar precisa estar sempre presente e fazer parte de todas as atividades — senão prevalecerão rumos estabelecidos em contextos estranhos à escola e/ou ao professor.Portanto, planejar é um ato coletivo que envolve a troca de informações entre professores, direção, coordenadores, funcionários e pais. Isso não quer dizer que o produto final venha a ser um documento complicado. Ao contrário, ele deve ser simples, funcional e flexível.

O QUE DEVE SER LEVADOEM CONSIDERAÇAO AO PLANEJAR AS AULAS DE CIÊNCIAS


Não adianta elaborar o planejamento tendo em mente apenas alunos ideais. É importante avaliar o que a turma já sabe e o que ainda precisa aprender. Só assim poderá planejar com base em necessidades reais de aprendizagem.Esteja aberto para acolher o aluno e suas circunstâncias. E, é claro, para aprender com os próprios erros e caminhar junto com a classe.Planejar requer pesquisar sempre;ser criativo na elaboração da aula;estabelecer prioridades e limites;estar aberto para acolher o aluno e sua realidade;ser flexível para replanejar sempre que necessário.Leve sempre em conta:as características e necessidades de aprendizagem dos alunos;os objetivos educacionais da escola e seu projeto pedagógico;o conteúdo de cada série;os objetivos e seu compromisso pessoal com o ensino;as condições objetivas de trabalho.Com base nisso, definiremos
o que vamos ensinar;como vamos ensinar;quando vamos ensinar;o que, como e quando avaliar.

Friday, September 29, 2006

RELATÓRIO DE VISITA À ESCOLA

Visitamos a escola Getúlio Vargas localizada no bairro do Barbalho próximo ao colégio estadual ICEIA. Quem vê a escola externamente tem a impressão de que o espaço físico é pequeno mas engana-se porque do lado interno funciona uma escola que atende aos alunos que estão no fundamental I e II com 17 salas em 3 turnos. Infelizmente chegamos numa hora imprópria pois estava para iniciar uma reunião de pais e mestres e por conta disso , a diretora não pôde nos dar atenção, mas prometeu nos receber em outro dia, de preferência pela manhã.Então pedimos autorização para conhecermos as dependências da escola. Quanto à organização física da sala de aula, podemos dizer que é satisfatória porque são arejadas e possuem boa iluminação onde a disposição das cadeiras são enfileiradas pelos funcionários todos os dias.Notamos que os professores utilizam quadro negro e giz em sala de aula mas de vez em quando utilizam retroprojetor. Procuramos saber se tinha algum professor de Ciência para nos ajudar nas informações.Daí fomos à procura do professor.Pelos corredores encontramos papéis jogados no chão e paredes riscadas apesar dos vários cartazes educativos colados nas paredes. Lamentavelmente ao encontrarmos a professora, fomos recebidos com indiferença, a professora de Ciências alegou que estava aguardando o início da reunião com os pais e nem sequer se interessou pelo projeto. Felizmente uma funcionária chamada Anaildes que trabalha como serviços gerais estava livre no momento e se colocou á disposição para nos ajudar. Foi muito gentil e simpática dentro das suas limitações nos ajudou bastante. Inicialmente nos levou para observarmos o banheiro de um dos corredores que por sinal estava em péssimas condições.A porta não tinha tranca e não havia nenhum sinal de higiene no banheiro.As paredes estavam sujas e riscadas com palavras de baixo escalão.Não tinha lâmpada nem papel higiênico. Pelo menos as torneiras tinham água corrente. Anaildes nos disse que existe quatro banheiros sendo que dois femininos e dois masculinos. Fomos conhecer o laboratório de Ciências que estava fechado .Ficamos sabendo que não estava sendo utilizado pelos professores. Dentro do laboratório tinha muitos materiais excelentes, inclusive um retroprojetor que não funcionava, e estavam empoeirados e a sala necessitando de uma faxina urgente. Próximo a esse laboratório estava a sala de Arquivo Morto que é o local onde são guardados os livros antigos e outros materiais.A escola dispõe de uma sala de recursos visuais que atende aos portadores de deficiência visual elaborando provas em braile.Não existe rampa na escola mas apenas escadas tornando difícil o deslocamento para quem não pode andar e se utilize de cadeiras de rodas. Soubemos que existe quatro alunos portadores de deficiência visual e estudam juntos com os demais alunos. Fomos conhecer a biblioteca que se encontrava fechada por falta de bibliotecário e que somente pela manhã tem uma pessoa que fica na biblioteca provisoriamente. A biblioteca tem 14 mesas com 4 cadeiras e uma Tv grande.Apesar de as estantes estarem arrumadas os livros são ultrapassados e não estão catalogados. Quanto às paredes , estavam precisando de uma pintura pois o mofo já estava tomando conta sem falar nas goteiras devido à infiltração. Enquanto estávamos na biblioteca a professora de geografia chamada Valdirene estava trazendo seus alunos para fazer uma pesquisa sobre o Oriente Médio e aproveitamos para lhes fazer algumas perguntas. Ela foi muito simpática e disse que era formada pela Ufba em Geografia. Ela desenvolve um trabalho diferenciado na escola e disse que a biblioteca estava naquelas condições por falta de uma coordenadoria mais ativa, que tivesse sistematização, mais organização.Ela falou que pelo fato de a diretora ser nova na função ainda não conseguiu colocar as coisas em ordem dependia de outras pessoas para lhe assessorar. Perguntamos se os alunos tem alguma atividade fora de sala. Disse que os alunos já visitaram museus, foram à OAF e também à exposição na feira de São Joaquim.Além disso, outras atividades propostas são Campeonatos, gincanas,épocas de festas, projeto da África, leituras realizadas em grupo. Acrescentou dizendo que uma das professoras de Ciências na verdade é formada em Pedagogia mas ainda assim estava fazendo um bom trabalho nessa área onde pediu orientação inclusive para ela de como desenvolver o trabalho. Quando saímos era hora do intervalo .Uma gritaria total e crianças correndo pelos corredores para pegar a merenda escolar que por sinal nesse dia era biscoito com Nescau quente. Aproveitamos para observar a cozinha onde é servida a merenda.Já estavam preparando o feijão para o dia seguinte pois havia uma panela com mais de trinta quilos de feijão dentro e um detalhe era feijão de qualidade. Quando saímos passamos próximo à quadra de esporte e observamos que ela precisa de reformas principalmente as grades que estão danificadas. Nessa primeira visita à escola aconteceu exatamente o que foi relatado. Mas em um outro dia , um dos componentes do grupo se comprometeu em voltar e procurar a coordenadora pedagógica Marieta Almeida para nos fornecer mais informações.Ela disse que a escola não tem um PPP mas que o centro dos trabalhos da classe é o aluno e que o professor dá oportunidades para que os alunos construam suas próprias normas através de troca de pontos de vista, discussões em grupo e contra-argumentações.Disse também que quando acontece situações de indisciplina na classe o professor geralmente procura conversar com o aluno para resolver o problema, mas em último caso,encaminha à direção da escola.


Visita à escola(2ª parte)

No dia 26 de setembro ,uma terça-feira, a professora Adriane disponibilizou nosso horário de aula para voltarmos à escola e darmos continuidade ao projeto e vermos as possibilidades de sua aplicabilidade. Nesse dia todos os componentes do grupo compareceram pontualmente e estavam envolvidos com o projeto. Mais uma vez não encontramos os professores de Ciências pois era dia de folga deles e também era a semana em que a escola só funcionaria até quarta-feira ou seja o dia seguinte, em virtude das eleições. Procuramos a Vice-diretora e pedimos autorização para fazermos uma faxina no laboratório e ela concordou. Dividimos o grupo da seguinte forma, enquanto uma parte fazia a faxina, uma dupla procuraria os professores para aplicar um questionário e saber se eles gostariam de participar de um treinamento sobre como utilizar e potencializar o laboratório de ciências com direito à certificado.Enquanto isso, outra dupla fazia a catalogação dos matérias que se encontrava no laboratório. Ficamos surpresos com a quantidade de materiais armazenados que poderiam estar sendo utilizados pelos professores com o objetivo de construir o conhecimento junto ao aluno.Inclusive tem um microscópio novinho,ainda na caixa de isopor, que poderia estar sendo de utilidade para a escola.Enquanto estávamos fazendo a faxina no laboratório alguns alunos ficaram curiosos e chegavam próximo à porta e olhavam para dentro e foi chegando mais alunos.Estavam surpresos porque o laboratório permanecia sempre fechado.Não sabiam a razão da nossa visita. Foi aí que uma aluna perguntou qual era a série que poderia utilizar o laboratório e quando soube que todos poderiam utilizar ficou muito feliz. Isso só reforçou mais ainda o nosso projeto de revitalização do laboratório de Ciências.O laboratório ficou com outra aparência depois da faxina.
Próximo passo será a apresentação do esboço do projeto ao nosso coordenador do curso de Ciência Naturais(Prudente) e fazer a solicitação de professores habilitados para realizar a oficina na escola.







.

Tuesday, September 19, 2006

MAPA CONCEITUAL

A imagem está no Blog de Patrícia

O texto "ALUNO: sujeito do conhecimento" aborda questões que facilitam a atuação do professor de ciências naturais em sala de aula: questões básicas que vão desde o planejamento das aulas pelo mesmo até toda a dinâmica que circunda o aluno, tanto na esfera social quanto cultural e que, em alguns momentos, o profissional deixa de levar em consideração essas variáveis que tem um importante papel dentro do processo de ensino e aprendizagem. O mapa acima retrata essas variáveis e mostra a relação entre eles. É importante ressaltar esses pontos pois, quando os mesmos não são considerados, há um empobrecimento e uma não significância nos conteúdos trabalhados.

Elaborado pelos alunos: Adriana Bruni, Juliana Mendes, Marcelo Santos, Patricia Marinho e Rosilene Estrela

Friday, September 08, 2006

SUJEITO DO CONHECIMENTO ; O ENTORNO E A APRENDIZAGEM

Segundo o texto, no final dos anos 90 e início de 2000 , houve forte investimento na expansão do ensino médio. Com base nesse trecho ,diga quais os novos desafios na formação dos professores de Ciências.

Wednesday, September 06, 2006

SÍNTESE DO TEXTO: TEMAS DA CIÊNCIA

O texto faz algumas reflexões sobre o livro de Maddox referentes às teorias científicas e o que ainda precisa ser conhecido. Inicialmente fala que o conhecimento científico submete-se a um processo de produção cuja dinâmica envolve transformações na compreensão do comportamento da natureza que impedem esse conhecimento de ser caracterizado como pronto, verdadeiro e acabado, mesmo que as teorias produzidas constituam verdades históricas que têm fundamentado o homem da ciência para uma explicação dos fenômenos. É justamente, papel da dúvida, questionar teorias que muitas vezes não se encaixam mais com o contexto atual.Todo questionamento deve ser levado em consideração,sendo feito posteriormente uma análise para checar se aquela informação é válida,sendo possível a partir daí, a reformulação de algumas teorias já constituidas.Portanto,a dúvida surge da inquietação.É importante ressaltar que o ensino de ciência deve considerar o processo de produção do conhecimento e isso envolve transformações, interesses.... já que a Ciência foi produzida num contexto histórico, econômico e político. E é por isso que o senso comum do aluno, deve ser considerado como meio de desenvolvimento no aprendizado das terminologias científicas, onde ocorra uma valorização do conhecimento cotidiano do aluno, como forma de leva-lo a construir conhecimento a partir dos seus saberes prévios e não devendo então, ser combatido na escola, mas trabalha-los na sala de aula de forma a propiciar uma aproximação das terminologias científicas e evitar que o conhecimento científico tecnológico tenha o caráter de acabado e onisciente, mas isto dependerá muito da postura dos profissionais que lidam com estes conhecimentos. Hoje se tornou comum a divulgação em revistas, e diversas mídias os avanços tecnológicos e descobertas científicas tornando estes conhecimentos mais acessíveis à sociedade.De forma que o connhecimento científico e tecnológico não é neutro porque por trás das pesquisas existem agentes motivadores, interesses pessoais, econômicos , políticos, etc...quanto a ser historicamente constituído o saber científico tecnológico , se institui ao longo da história com afirmações confirmadas por meio de experimentos e sustentada com o passar dos anos até que seja provado o contrário. Mas também faz importantes contribuições na abordagem articulada Ciência e Tecnologia como pode ser destacada na expansão e potencialização de algumas capacidades naturais do homem, a exemplo da visão que é limitada, onde a tecnologia proporciona a construção de equipamentos que serão utilizados para construção/reconstrução de conhecimentos científicos, construção esta baseada também na Ciência de forma a fazer com que se atinja o objetivo (a partir da Ciência e para a Ciências). Outras contribuições importantíssimas dizem respeito primeiramente a modernização da Medicina, onde hoje já é possível realizar operações por vídeoconferência , além da facilitação por meio de novos recursos ao ensino da educação especial (com computadores adaptados às necessidades, físicas e psíquicas dos alunos). É importante salientar que o tratamento das informações deve seguir uma organização de pĺanos de ensino, segundo temas de trabalho e problemas para a aprendizagem porque facilitará e muito o tratamento interdisciplinar das disciplinas, principalmente, Ciências. Além disso, vai permitir que a organização dos conteúdos seja flexível e compatível com os critérios de seleção. Isso será possível, se o conhecimento real relacionar-se ao científico, dando subsídios para que o aluno articule, questione e associe os conhecimentos às realidades cotidianas com o objetivo de entrelaçar ambos os conhecimentos.Enfim, é preciso trazer a vivência cotidiana do aluno, sua visão de mundo para a sala de aula, interagindo sua realidade ao saber científico .Não é nenhuma novidade dizer que a digitalização exerce influência na formação de conceitos de Ciências, uma vez que há um grande fluxo de informações, aumento do potencial de comunicações abrangendo a facilidade de acesso a informação, operacionalidade de seu manuseio e novas alternativas de avaliação, aumentando as possibilidades de criação da ciência, velocidade de informação .Hoje se utiliza o scanner que possibilita o trabalho com blocos de informações e assim poder ligar por exemplo, vários laboratórios do mundo. Além disso, para que haja um entendimento do vasto conhecimento existente, se faz necessário o uso de uma padronização, para facilitar a compreenssão deste conhecimento por todos.Daí o uso das escalas, assim como outras formas de medida.Finalizando, é preciso que o professor de Ciências busque respostas às suas dúvidas e inquietações sobre ciências por meio de pesquisas em revistas científicas, sites,reportagens (fontes confiáveis ), eventos que possibilite trocas de informações entre pessoas, grupos de estudos, listas de discussões, participar da gestão da escola, enfim , tudo que possa esclarecer as suas dúvidas e a dos alunos. Seja no diálogo, na formação continuada, no aprimoramento e atualização de sua metodologia, tendo como foco principal a aprendizagem do aluno como detentor de algum saber, e aqueles que, em busca do mesmo objetivo, assumem uma postura tradicional, dogmática. Portanto, os professores precisam acompanhar as mudanças e aceitá-las, para poder dar e receber o merecido reconhecimento.Precisam acompanhar os avanços de seus alunos, diagnosticando suas falhas, sem deixar transparecer em seu modo de atuar uma conotação de o “dono da verdade”. Além disso, serem capazes de reconhecer e corrigir seus erros.

Sunday, September 03, 2006

o papel da dúvida para produção e evolução da ciência

Qual o papel da dúvida para produção e evolução da ciência?
Segundo o texto "Temas da ciência", o conhecimento científico submete-se a um processo de produção cuja dinâmica envolve transformações na compreensão do comportamento da natureza que impedem esse conhecimento de ser caracterizado como pronto, verdadeiro e acabado, mesmo que as teorias produzidas constituam verdades históricas que têm fundamentado o homem de ciência para uma explicação dos fenômenos. A história da ciência claramente mostra que teorias científicas não permanecem eternamente inalteradas, não são verdades absolutas. Em lugar disso, elas funcionam por agum tempo até que sejam descobertos novos fatos que não se encaixem nas teorias estabelecidas, e então novas teorias serão propostas e acabando por substituir as antigas, parcialmente ou completamente. É justamente,papel da dúvida, questionar teorias que muitas vezes não se encaixam mais com o contexto atual.Todo questionamento deve ser levado em consideração,sendo feito posteriormente uma análise para checar se aquela informação é válida,sendo possível a partir daí, a reformulação de algumas teorias já constituidas.Portanto,a dúvida surge da inquietação. Podemos citar como exemplo a recente descoberta de que o planeta Plutão perdeu o status de planeta.O nosso sistema solar agora fica com oito planetas e Plutão não será mais definido como um planeta porque os mais de 2500 especialistas de 75 países reconheceram, de forma unânime que se cometeu um erro quando deu a Plutão a categoria de planeta em 1930. Plutão localiza-se no Cinturão de Kuiper, onde recentemente foram descobertos outros “planetas anões” como Sedna e Xena. Para os apoiadores da decisão , se Plutão continuasse a ser considerado um planeta em breve teríamos o dobro de planetas no Sistema Solar, o que criaria uma grande confusão. A comunidade científica estabeleceu na capital Tcheca que, para ser um planeta o astro precisa ser dominante em sua zona orbital, o que não ocorre com Plutão. Outro ponto contrário é a forma pouco convencional da órbita de Plutão cuja inclinação não é paralela à da terra e a dos outros sete planetas do sistema solar.

Tuesday, August 29, 2006

Este é o meu novo blog e apartir de hoje vou publicar aquilo que eu achar importante para o meu curso de ciências naturais .